sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

DESABAFO DE UMA MÃE...




Um dia descobri que você estava dentro de mim e chorei. Chorei porque mesmo negando que te queria para todos, você era o que eu mais queria... Devaneava em ter você e ser para ti o que eu não tive de quem amei nesta vida, aliás, não entendia nesta vida, a minha mãe. Que espécie de amor é este que me afasta que me faz ser triste e não sentir prazer de estar ao lado dela? Talvez você ache que nunca te amei porque tão pequena tive de te deixar e buscar no trabalho o melhor pra te proporcionar mesmo que pouco, mas era assim q sempre pensei , tenho pouco, pouco darei, mas farei meu melhor, já que eu não tive essa proporção de melhor de minha mãe... Ainda hoje te dou pouco materialmente, eu sei... O melhor dela era o pouco ou nada que meu pai dava pra ela... 

Eu estou muito triste com você, mas tão triste que eu estou triste... Não sei se tu compreendes...

Mais um tempo passando em nossas vidas... Sei que muitas vezes não te vi brincar, mas dei o que pude para te proporcionar o prazer das brincadeiras, pouco fui às reuniões de tua escola, mas eu sabia que você não me daria trabalho nela e me descansava em não ir, falha minha? Tenho pra mim que você se ressentia por isso, mas você não aceita e nem entende ate hoje que era meu modo de você sentir que em ti confiava e me desprover de me aborrecer indo ouvir ou passar uma hora sabendo que nenhum aborrecimento tinha com tua pessoa nos seus estudos... Acompanhei seu crescimento sim e te provi do que pude, tentei entrar muitas vezes na tua vida e você não deixou, tentei inúmeras vezes participar de tua vida social e só via em ti a reprovação como se eu não fizesse parte de você e não devesse saber onde andas com quem andas muitas mães sabem de tudo se envolvem em tudo da vida dos filhos e se eu tentasse isso você em sua concha se fechava e me maltratava com sua arrogância suprema... Você nunca percebeu o quanto eu preciso de você, sempre achou que mais precisou de mim e me omiti... Seu primeiro beijo queria ter sabido dele, como foi seu primeiro namoro queria ter sabido dele, sua primeira paixão queria ter sabido dela... Seu primeiro momento íntimo queria ter participado dele com você, ter tirado suas dúvidas, ter sentindo o tremer de suas palavras ao me contar com o receio de que eu que tanta liberdade te dei não ia aceitar que você já não é mais menina e sim uma mulher... Mantive-me a parte, não indaguei, deixei você livre e você me manteve longe... Porque você se ressente tanto comigo se procurei dar o mais de mim e você que sempre me manteve afastada de ti? Eu não entendo... Você procura meus defeitos, os manda pra cima de mim, será que não fui nunca boa mãe pra você? Será que errei ao deixar você livre para viver já que eu não fui livre e tentei te proporcionar uma vida diferente da minha? Eu nunca te abandonei, sempre estive ao teu lado e sempre procurei ver-te com os olhos de mãe e amiga, mesmo você não me querendo como nenhuma das duas... A gente critica os outros e não nos vê nas criticas... Em algumas vezes que tentei participar de tua vida você mesma deixava claro que não queria que eu conhecesse suas amizades, e conhecer pra que? Conhecer a família delas pra que? Intrometer-me em tua vida era e é pra você um direito que não tenho... Mas porque você age assim se sempre deixei você livre?

Só sei que estou tão triste com você, mas tão triste que estou triste... Ando adoecendo com isso, pela sua falta de AMOR...

Eu entendi minha mãe e deixei-a ir de mim sem mágoas, porque eu descobri que eu também era mãe e se alguém mais estava errada era eu que era mãe e não podia deixar de entender minha mãe que devotou ao meu irmão o amor que não devotou a mim, o mesmo amor, mas eu compreendi porque ela fez assim na vida... Ele necessitou mais dela do que eu... Eu fui uma fortaleza que eu mesma criei em mim e superei coisas que meu irmão não superaria em sua fragilidade mesmo sendo homem, mas que todos esquecem que é humano e todo humano é falho seja em momento que for nesta vida... Eu tive minhas falhas, mas não me considero falha com você... Eu me orgulho de ser tua mãe mesmo que às vezes as palavras mostrem o contrario, sei que a gente num deve pronunciar algumas palavras, talvez elas doam mais que o silencio... Tenho tentado viver mais no silencio já que as palavras boas ou más não mudam nada de ti para comigo... Eu te amo e não me envergonho de te dizer isso, porque meu amor por ti sempre será eterno em minha pequena demonstração de afeto, afeto que tantas vezes tentei te dar e você renegou, e você em suas palavras me mandou em sentimentos de raiva, ódio até... Desculpe se não sei fazer você ter bons sentimentos por mim, mas creia que os meus mesmo que eu me aborreça contigo são de puro bem querer... Não leve em conta minhas palavras quando elas parecerem querer te magoar, porque quem mais se magoa com minhas palavras sou eu por te-las dito a ti... Eu te amo... Desculpe minhas palavras, estas aqui, se te magoarem, mas eu precisava pô-las pra fora, tenho sentido que to me matando , me enterrando, perdendo o brilho de viver e só você não nota isso porque você esquece que eu vivo junto com você, a nossa vida... Tanta coisa pra dizer, mas que pra você, você não daria e nem veria sentido, seria como se eu estivesse só te dizendo bobagens, como você sempre acha que falo demais... Sua mãe, eu, em minha pequena e mínima pessoa perante a ti rogo-te que me perdoe, não guarde mágoas... Sobreviva a mim sem passar por cima de mim... Um dia irás ser como eu, falho por ser humana e por ser mãe... Mas eu sempre tentei... Amo-te...

Ivete Barros, 03/12/2012

Nenhum comentário:

Postar um comentário